segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Direções


Mesmo preenchido de tinta, de casaco ou de pó-de-arroz, o vazio existe no que já está cheio. As cores das fantasias, a proteção do dia-a-dia e a maquiagem que revestem a figura não são suficientes para o afarinhamento do buraco que mais parece uma azia vulcânica. Mal de amor? Mal de dor. Bem querer? Só querer. Desejo de uma palavra que vá salvar o sonho antes que seja extraviado para a terra da frustração. Lá, vivem os mendigos de aventuras. Melhor gritar como um corte na garganta até sair a última gota de pus deste avarento destino da normalidade. Olha-se a hora, vê o tempo refletir rápido e garante que os ponteiros estão pelo avesso. Não há mais instantes a perder. O abismo está à espreita. Escolha.

4 comentários:

Rodrigo Rocha disse...

Quero Lara no lugar de Sarney na ABL.

Lara Aguiar disse...

Ow, que fofo, Rod!! Bjuuu

Raiana Reis disse...

Ante ao próximo segundo, caberá a nós toda autoria do instante - o peso ou gozo das escolhas... Adorei seus textos e já sigo por aqui, parabéns!

Maria Fernanda Probst disse...

Amei a forma como tu escreve, apesar deste ser tão pesado.

Beijo