segunda-feira, 5 de julho de 2010

Contra o vento

Vontade de desabafo. De sambar em cima do que se discorda, do que dá nó na goela, do que faz a carne tremer e mostrar que estamos mais do que vivos: impacientes. Por que essa testa enrugada, sem entender que a vida funciona assim, só assim, que dói só de pensar na ilusão que os outros criam. E dói mais ainda acreditar que você também está visualizando a realidade com as cores que escolheu. Quem garante o absoluto? E essa indignação de ver o mundo acreditando na primeira máscara que se apresenta? Não existem parâmetros para definir o que verdadeiramente é real daquilo que é mera representação alienante? A casca grossa da indignação protege o núcleo sedento por claridade. O mundo diz sim ao absurdo. Eu digo não ao mundo. E vivo muda de maré contrária.

2 comentários:

Fátima Lima disse...

Li e reli o texto várias vezes. Texto complexo...completo? ou um texto desabafo? Os textos servem para nos provocar:

o Absoluto: não existe

o verdadeiramente real: nossas invenções

a única certeza:"A casca grossa da indignação protege o núcleo sedento por claridade."

Mas, queria mesmo era sambar em cima do que (teimo) em discordar...


Abraços

Lara Aguiar disse...
Este comentário foi removido pelo autor.