segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Coagulações

Estou ocupada em morrer. Não consigo matar, nem a mim nem aos outros. Resta-me a entrega ao obscuro. Será que lá tem luzes e um velho aconchego conhecido? Ao meio-dia espero o sol rachar meu desgosto, meus seios fartos de amor intenso, minha sorte mal herdada. Quando essa hora chegar, quero estar alerta para alcançar a vitória de uma derrota anunciada. E no exato momento do corte, estarei plena de todos os ódios, e verei todos se dissipando, virando farelo de sangue preso e coagulado. Lá embaixo, diante da própria queda, poderei vislumbrar o que perdi. E aí terminarei como num filme real, constatando a miséria de ter vivido seca, embaixo de uma sombra medíocre e infértil. Quando a dor quebrar até a última esperança, eu acordarei. Com a angústia rodopiando, eu sei. Mas ainda soltarei aquele sorriso só meu, pra dentro, de canto de boca. E serei outra, renovada, ofegante, lendo no espelho a chance de ainda mudar o traçado.


Texto: Lara Aguiar

Um comentário:

Suyene disse...

Esse mapa não está ainda terminado. Mude esse traçado...e já!!!
Bjs

Suyene Correia